O duplipensar de Janaína Paschoal
Segunda-feira, 2 de maio de 2016

O duplipensar de Janaína Paschoal

A advogada e professora universitária Janaína Paschoal compareceu, na semana passada, à sessão da Comissão Especial do Impeachment do Senado para, na condição de signatária do pedido de impedimento feito em desfavor da presidenta Dilma Rousseff, fazer suas considerações sobre o assunto diante de seus membros.

Em tom dramático, defendeu, dentre outras coisas, o impeachment pelo “conjunto da obra” e a expansão da denúncia para além dos marcos fixados pelo juízo de admissibilidade da Câmara. Falou também de sua militância no impeachment de Collor e nas intenções de expandir sua cruzada iniciada no Brasil para outros países da América Latina. Salivando um voraz anti-petismo, conclamou as “criancinhas” e “brasileirinhos” que a assistiam a defender a Constituição, este livro sagrado “que o PT não assinou”. Um incauto diria certamente que ali estava uma parlamentar integrante de algum bloco conservador e oposicionista, a considerar a pouca técnica em suas colocações e o teor das análises que fez, a exemplo de quando falou acerca da conjuntura política latino-americana – sem falar, obviamente, na troca de afagos com senadores como Ronaldo Caiado e Cássio Cunha Lima.

Nas mais de nove horas de depoimento, duas coisas em particular chamaram a atenção nas exposições de Janaína: os quarenta e cinco mil reais que assumiu ter recebido do PSDB para encampar a iniciativa do impeachment e a forma com que intentou proteger o vice-presidente Michel Temer do impeachment, mesmo tendo também assinado decretos de abertura de crédito suplementar em circunstâncias idênticas a Dilma.

No primeiro caso, muito embora tenha afirmado sem constrangimento que foi contratada pelo PSDB – partido que encabeça as hostes oposicionistas e maior e mais tradicional adversário político do PT – para prestar serviços dessa natureza, a advogada ainda assim insistiu na versão de que a empreitada do impeachment é apartidária, fruto unicamente de seu ímpeto republicano de defesa das liberdades civis, constitucionais e democráticas.

A segunda situação diz respeito a uma peça pregada pelo senador Randolfe Rodrigues. Após o parlamentar descrever as características dos decretos assinados por Temer sem, todavia, identificá-lo, Janaína defendeu de forma enfática o impedimento até, naturalmente, o senador revelar a alcunha de seu signatário, levando-a – e agora sim, constrangida – a afirmar que os decretos assinados pelo vice-presidente o foram por meio de delegação, na ausência da presidenta, razão pela qual não caberia seu impedimento.

Nada mais falso. Vice-presidentes, enquanto no exercício da Presidência da República, possuem plena autonomia para exercer suas atribuições institucionais. Caso Temer, com seu arguto olhar constitucionalista, tivesse vislumbrado a mais remota possibilidade de responsabilização pessoal pela assinatura dos decretos, é certo que não os teria assinado – e tinha amparo para não fazê-lo. Contudo, tanto não viu que os assinou (e em valores, impactos e circunstâncias sobremaneira mais gravosas que os decretos assinados por Dilma), levando o senador Randolfe a escancarar o civismo seletivo e a fragilidade das teses da advogada, obrigada a fazer um contorcionismo hermenêutico para desdizer o que disse e evidenciar o óbvio: a Constituição, a despeito das encenações que fez, é o que menos importa nessa história toda.

A distopia imaginada por George Orwell no clássico 1984 traz o Grande Irmão, representação do líder máximo do Estado, comandante de um totalitário, sofisticado e onipresente sistema de controle e vigilância permanente acerca dos atos e pensamentos dos indivíduos. As constantes manipulações do Estado sobre sua contraditória atuação na vida social, diplomática e econômica ensejaram a criação de mecanismos de controle que fossem além dos meios convencionais representados pela Polícia do Pensamento, responsável por reprimir crimes de ideia e de opinião contra o Grande Irmão. Criou-se, assim, o duplipensar, definido por Orwell como o ato de “defender simultaneamente duas opiniões que se cancelam mutuamente, sabendo que se contradizem, e ainda assim acreditar em ambas”.

Ao persistir afirmando que o vice-presidente não pode ser responsabilizado com o impedimento (mesmo tendo cometido ato que admite como suficiente para apear a presidenta do cargo), e ao defender que o pedido de impeachment é apartidário (ainda que reconheça que foi feito sob a encomenda de um partido e elaborado em coautoria com um ativo e tradicional militante desta mesma agremiação), Janaína Paschoal reafirma a universalidade e a atemporalidade que definem como clássicas e obrigatórias obras como 1984, escrita ainda em 1948. “Até para compreender a palavra ‘duplipensar’ é necessário usar o duplipensar”, ensina Orwell. Esta lição sim, Janaína aprendeu muito bem.

Gustavo Henrique Freire Barbosa é advogado e professor substituto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Segunda-feira, 2 de maio de 2016
COMPARTILHE

Tweet
Share
Google

APOIO

Apoiadores
Seja um apoiador

ANUNCIE

Aprox. 500 mil visitas mensais. 117 mil curtidas no Facebook. Newsletter com alcance de 105 mil pessoas.

CONTATO

[email protected]
Av Paulista, 1776, 13º andar, Cerqueira César
São Paulo/SP