“O sonho da construção do ser humano passa pela escrita”, afirma Paulina Chiziane
Segunda-feira, 26 de setembro de 2016

“O sonho da construção do ser humano passa pela escrita”, afirma Paulina Chiziane

“A escrita é uma das maiores terapias”

 

O Justificando Entrevista recebe Paulina Chiziane, escritora moçambicana premiada internacionalmente e indicada ao Prêmio Nobel, para um bate papo com Joice Berth sobre romances, histórias e mulheres negras.

A escritora se define como uma contadora de histórias, ao contrário de romancista. O romance, para ela, é algo preso a formas, enquanto a história é livre para ser o que quiser. A liberdade é um traço bem marcante na entrevista de Paulina, que, por diversas vezes, nega a imposição de autoridade sobre ela, como quando, por exemplo, descreve as razões pelas quais não é romancista, ou, ainda, feminista. Para ela, a partir do momento que assume adjetivos, significa uma automática imposição por outras pessoas do que é o certo ou o errado, fato que ela não admite.

O fato de não dizer-se feminista, contudo, não significa que tanto literatura quanto fala de Paulina não contenha ideais do feminismo – “As próprias mulheres têm que fazer a luta. E têm que fazer a sua própria vitória e não esperar que se abram as portas do mundo para que elas passem. Elas têm que ir à luta e têm que vencer a batalha”.

Paulina foi militante política por muitos anos em Moçambique, atualmente adota uma linha mais reservada – “A política que é feita em grupos, com objetivos traçados em um determinado período e que tem uma liderança, uns princípios. Esse é o partido político, movimento político. [De outro lado] tem o trabalho no meu canto, o meu chefe sou eu mesmo e penso naquilo que acho que devo pensar, e vou registrando…”.

Entretanto, Paulina defende que o ato de escrever tem sim poder político – “Enquanto a gente não escreve o que a gente pensa, o que a gente sonho, pode ficar esquecido”, disse.

 

“O sonho da construção do ser humano passa pela escrita”.

 

Andorinhas (Editora Nandyala), seu mais último livro, a escritora brinca – é sobre um imperador que, de tão déspota, acaba perdendo seu reino por uma andorinha, afirma Paulina, rindo. 

Veja o mapa da entrevista:

1:11 – As pessoas falam que você começou a escrever, publicou seu primeiro romance, e então você seria uma romancista. Mas você se identifica como uma contadora de histórias. O que significa essa diferença.

2:45 – A senhora parece uma pessoa muito livre, sua maneira de falar, seu pensamento. Isso sempre foi assim, ou a escrita na sua vida foi uma cura?

4:26 – A senhora teve um momento de envolvimento político, de militância, para depois ir para a literatura, cuja carreira foi brilhante. A literatura facilita mais o processo de desconstrução, mais produtivo do que a política, por exemplo?

7:12 – Nos romances da senhora, a gente observa um posicionamento de valorização da mulher, um chamamento para que essa mulher acorde e tome seu poder de decisão, de centralização no mundo que é hostil pra gente. Para mim isso é muito feminista. A senhora se considera de fato uma escritora feminista ou isso é uma narrativa isolada que eventualmente aparece, mas não é o que a senhora pensa?

9:12 – A gente tá falando bastante aqui de empoderamento da mulher, da mulher negra em especial e a gente tem vários pontos de divergência do que significa o empoderamento. Para a senhora, que valoriza essa essência feminina, o que seria isso?

13:50 – O mercado editorial ainda impõe muita dificuldade para as mulheres, as quais até escrevem muitas vezes suas narrativas, mas a mentalidade faz com que não tenham muitas mulheres publicando o que escrevem. Em Moçambique é diferente?

15:37 – Você consegue medir que as respostas das mulheres negras em Moçambique às suas histórias. É o mesmo efeito que ocorre no Brasil?

19:29 – Qual seu livro preferido entre os que publicou?

20:49 – Sobre o mais recente lançamento, “As Andorinhas”, da Editora Nandyala, que pelo título associa muito à liberdade. Fale um pouco sobre ele para nós…

Segunda-feira, 26 de setembro de 2016
COMPARTILHE

Tweet
Share
Google

APOIO

Apoiadores
Seja um apoiador

ANUNCIE

Aprox. 500 mil visitas mensais. 117 mil curtidas no Facebook. Newsletter com alcance de 105 mil pessoas.

CONTATO

[email protected]
Av Paulista, 1776, 13º andar, Cerqueira César
São Paulo/SP