Rapinar o Estado e cortar direitos é bom para o mercado financeiro, não para você
Segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Rapinar o Estado e cortar direitos é bom para o mercado financeiro, não para você

No final de 1974, o presidente Ernesto Geisel anunciava o II Plano Nacional de Desenvolvimento. Lançado no minguar do chamado “Milagre Econômico” e de uma forte crise do petróleo, o II PND foi a solução encontrada pela ditadura militar brasileira para lidar com a forte recessão da época, articulando o capital de empresas controladas pelo Estado com o capital financeiro e empresarial objetivando iniciar um novo ciclo de industrialização no país. O II PND, muito mais arrojado que sua versão anterior, implicava uma forte intervenção estatal nas áreas de infraestrutura como produção de energia e sistemas de telefonia.

Geisel, no entanto, sofreu forte oposição da linha dura da caserna e de seus representantes da ARENA, partido que dava sustentação política ao regime militar. Muito embora o II PND aceitasse de bom grado a participação do capital privado, isso não impediu que Geisel fosse tachado de comunista e acusado de querer dar início a uma “república soviética brasileira”. A reação tinha um objetivo claro: levar abaixo qualquer perspectiva que colocasse o Estado como indutor de políticas de longo prazo, ainda que não houve óbices à participação do empresariado. Não coincidentemente, foi neste momento que nossas elites empresariais começaram a perder a graça pelo governo dos militares e apoiar os movimentos que clamavam pela redemocratização.

O episódio acima revela como temos uma elite de rapina, ausente de qualquer identificação afetiva com o futuro da nação e interessada tão somente em contemplar seus interesses mesquinhos e predatórios a curto prazo ao invés de articulá-los com um projeto desenvolvimentista reestruturante para o país. Sem falar nos arautos do capitalismo financeiro, exportadores de um modelo de enxugamento do Estado do qual eles próprio desdenham.

Com efeito, o paradoxo – ou a hipocrisia – da globalização e da defesa da diminuição do Estado que vem sendo aplicada no Brasil encontra eco na emblemática situação de Mali, país situado na África ocidental. Embora Mali produza algodão e gado de boa qualidade, o subsídio que o governo norte-americano dá a seus produtores de algodão equivale a valores maiores que todo o orçamento do Estado malinês, ao passo que a União Europeia subsidia cada vaca com 500 euros por ano, mais do que o PIB per capita do país africano, que a exemplo da maioria das nações periféricas, sofre intensas pressões de organismos internacionais para que abrace o livre mercado global enquanto fórmula para o desenvolvimento. É óbvio tal situação extrai por completo a competividade dos produtos malineses. “Não precisamos de ajuda, conselhos ou palestras sobre os efeitos benéficos do fim da regulação estatal. Basta que vocês cumpram com suas próprias regras e nossos problemas acabarão”, soltou o ministro da economia do país.

A hipocrisia escancara-se ainda mais se voltarmos os olhos para a história do desenvolvimento econômico dos Estados Unidos, a começar pelas referências grafadas em sua própria moeda. Na nota de dez dólares, por exemplo, está Alexander Hamilton, grande mentor moderno do sistema econômico norte-americano. Em 1789, quando ocupava o cargo de Secretário do Tesouro, elaborou um relatório no qual concluiu que “as indústrias que estavam na infância”, como as de seu país, precisavam ser protegidas e cultivadas pelo governo antes que pudessem se erguer sozinhas.

Na nota de cinquenta dólares, por sua vez, figura Ulisses Grant, herói da Guerra da Secessão que veio a se tornar presidente. Resistindo à pressão inglesa para que os Estados Unidos abrissem mão de políticas intervencionistas e abraçassem despudoradamente o livre comércio, comentou: “daqui a duzentos anos, depois que a América tiver extraído da proteção tudo o que esta pode oferecer, ela também adotará o livre comércio”. O prazo estipulado por Grant expira em 2075.

Andrew Jackson, presidente norte-americano no período de 1829 a 1837 cujo rosto estampa a nota de vinte dólares, cancelou em 1836 a licença do segundo banco dos EUA, afirmando que os investidores estrangeiros eram proprietários de uma parte “grande demais” da entidade bancária. E quanto era essa parte? Apenas de 30%. Ha-Joon Chang, economista sul-coreano, reflete sobre o que aconteceria se um país em desenvolvimento cancelasse hoje a licença de um banco pelo fato dos norte-americanos ou entes transnacionais serem proprietários de 30% de suas ações. Certamente o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos teria um chilique, na esteira de raivosas reações de analistas econômicos e da imprensa corporativa do país nativo. “Chavista” ou “bolivariano” seriam o mínimo que se ouviria de setores conservadores.

Não assusta, portanto, que posicionamentos contrários à rapinagem desvairada promovida pelo governo Temer, que acaba de entregar o Pré-Sal ao capital internacional e promover uma série de medidas que objetivam diminuir os recursos de áreas essenciais como educação e saúde, sejam tachados dessa maneira. O próprio presidente, cuja “Ponte para o Futuro” prevê privatizações ensandecidas, acaba de retirar do sarcófago o macarthismo bolorento alimentado por boa parte dos que saíram às ruas de verde e amarelo, adotando oficialmente o slogan “vamos tirar o Brasil do vermelho”.

Ignora o mandatário que o governo Dilma foi um governo de sucessivas capitulações ao conservadorismo e sobretudo ao rentismo parasitário, além de ter sido a queda das receitas – em parte em razão de uma equivocada política de desonerações – e não o aumento das despesas que ocasionaram o déficit fiscal.

Enxergando a oportunidade gerada pela crise política e econômica, iniciou-se um processo brutal de espoliação do Estado brasileiro, processo vendido como a única saída para colocar o Brasil nos trilhos. A pilhagem oportunista toma forma na PEC 241, que pretende impor uma política de austeridade de duas décadas e representa bem o discurso único que ignora alternativas palpáveis, melhores à sociedade mas contrárias aos interesses do mercado financeiro. Entre elas estão a realização da auditoria da dívida, uma reforma tributária que abarque o aumento da taxação da renda e do patrimônio, a implementação de instrumentos de combate à sonegação e à elisão fiscal e a execução da dívida ativa, que hoje passa do trilhão. Tais medidas – a maioria das quais já previstas por nosso ordenamento jurídico – gerariam o aumento estrutural das receitas e possibilitariam a ampliação do catálogo de direitos fundamentais ao invés de cortá-los na faca.

Só um altíssimo grau de colonização do espírito é capaz de explicar não apenas a indiferença dócil a violências explícitas como as acima trazidas, mas também o apoio entusiasmado de pessoas assalariadas ao desmonte do Estado e ao sepultamento de direitos constitucionais que se encontra em curso. É a narrativa do mercado financeiro que impôs, por exemplo, que em 2014 os orçamentos da saúde e educação somados fossem da ordem de 220 bilhões enquanto o pagamento dos juros da dívida abocanhasse monta superior a um trilhão do orçamento público federal. A PEC 241 vem exatamente para garantir que esse fosso aumente ainda mais em favor do rentismo.

A ousadia de propor uma política de arroxo fiscal para os próximos vinte anos mostra como a reação imediata ao duplipensar criminoso que defende que retirar direitos e diminuir o Estado será bom para a sociedade é o primeiro passo para que saiamos da inércia e resistamos aos tempos sombrios que despontam no horizonte. As gerações futuras nos agradecerão.

Gustavo Henrique Freire Barbosa, advogado, membro da Comissão de Estudos Constitucionais da OAB/RN, membro da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares (RENAP), integrante do Instituto de Pesquisa e Estudos em Justiça e Cidadania (IPEJUC), mestrando em Constituição e Garantia de Direitos pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Segunda-feira, 10 de outubro de 2016
COMPARTILHE

Tweet
Share
Google

APOIO

Apoiadores
Seja um apoiador

ANUNCIE

Aprox. 500 mil visitas mensais. 117 mil curtidas no Facebook. Newsletter com alcance de 105 mil pessoas.

CONTATO

[email protected]
Av Paulista, 1776, 13º andar, Cerqueira César
São Paulo/SP