Ainda há juízes em Berlim?
Terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Ainda há juízes em Berlim?

“Quem de nós é fiel a si mesmo o tempo todo?”

François-Andrieux

Conta-nos François Andrieux, em seu poema chamado “Le meunier de Sans-Souci” (O moleiro de Sans-Souci), que Frederico II, rei da Prússia, resolveu construir para si um belo palácio, numa paisagem tranquila e calma. Construiu, então, o castelo em uma região chamada de Sans-Souci, que significa ‘sem preocupação’. Ocorre que nestas redondezas havia um moinho antiquíssimo que atrapalhava a visão do monarca e impedia a sua ampliação; decidiu então o rei que removeria o moinho a qualquer custo: ofereceu riquezas, tentou negociar e o moleiro, dono do moinho, se opôs aguerridamente à expropriação do seu moinho.

Frederico II, após saber da oposição do moleiro, fez chamá-lo a sua presença e questionou-lhe os motivos que lhe faziam manter a ideia de continuar com o moinho erguido. O moleiro, em sua humildade, conta que o pai do seu pai, o seu pai e ele haviam trabalhado durante toda a vida naquele moinho e que seu filho também trabalharia quando mais velho. Irritado, Frederico II diz ao moleiro: “Sabes que, se eu assim o ordenasse, ainda que contra sua vontade, poderia expropriar-te da terra sem lhe dar um único centavo, não sabes?” e o moleiro redarguiu: “O senhor? Tomar-me o moinho? Ainda existem juízes em Berlim!”.

Como o moleiro de Sans-Souci, questionamo-nos, perante os acontecimentos recentes: ainda há juízes no Brasil? Em tempos de espetacularização da magistratura, tempos de juízes-celebridades, juízes-heróis (e o herói, aqui, ocupa sempre “o lugar do canalha”, como nos lembra Warat) e promotores intocáveis, assistimos – assustados – à escalada de uma perseguição contra magistrados e membros do Ministério Público avessos à cultura punitivista.

Magistrados liberais, garantistas e antipunitivistas são criminalizados e caçados pela mídia e pelos próprios colegas de Tribunal. Em 13 de junho de 2016, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro submeteu a julgamento dois juízes e duas juízas que haviam se manifestado em um evento contrário ao impeachment da então presidenta Dilma Rousseff – felizmente, por 15 votos a 6, o Tribunal decidiu arquivar o processo administrativo. Como bem disse Yarochewsky ao comentar o caso, “não resta dúvida que os magistrados foram perquiridos em razão de suas posições ideológicas que qualquer pessoa, independente da atividade profissional, tem direito como cidadão”.

Preciso seria analisar a falta de compromisso de magistrados e promotores com a garantia e a ausência de engajamento na defesa de direitos coletivos que, desde o modelo de recrutamento, é evidente nos inúmeros pareceres e sentenças flagrantemente inconstitucionais.

O descumprimento do controle externo da atividade policial, por exemplo, prevista como função institucional do Ministério Público no art. 129, VII, da Carta Magna de 1988, nos traz a concepção de um órgão ministerial ainda elitista, conivente com violações de direitos humanos e pouco engajado com suas atribuições fundamentais e exclusivas, como defesa de direitos coletivos e supervisão das penas de prisão. Soma-se a tudo isto a imensa discrepância de gênero e raça nos cargos da Promotoria Pública (70% dos promotores e procuradores do país são homens e 76% são brancos; a população brasileira, de acordo com o Censo 2010, esses índices são, respectivamente, 48% e 50%).

Com uma das mais violentas polícias do mundo, a função exclusiva do MP de exercer controle externo da polícia fracassou, como sustenta Julita Lemgruber, coordenadora da pesquisa “Ministério Público: guardião da democracia?”, uma vez que “mais do que omissão do MP, há certa ‘cumplicidade’ entre o órgão e as polícias, sobre a tramitação de processos penais iniciados com a prisão em flagrante, na qual promotores repetem na denúncia a versão policial dos fatos, sem averiguar sua veracidade, nem a legalidade do flagrante, nem tampouco a ocorrência de tortura ou maus tratos”. Por outro lado, face da mesma moeda, um Judiciário já caduco e custoso aos cofres públicos.

Desligados da realidade social, frutos de uma educação jurídica ainda extremamente técnica e não emancipatória, formamos cada vez mais bacharéis, que por sua vez serão juízes, descompromissados com a democracia e com o povo: as universidades de Direito hoje dão à luz aos juízes e promotores sedentos por uma espécie nova de vingança – o rigor das leis contra os pobres e o acirramento de um Estado de Polícia que, por natureza, é avesso à democracia.

Não à toa é que tribunais perseguem aqueles que ousam romper com a ‘paixão’ punitivista presente nos quadros do MP e do Judiciário: ocupam a figura do herói que Warat nos apontou. São aplaudidos por representarem a escalada de uma cultura avessa aos direitos humanos, que insiste em desumanizar e descaracterizar, no sistema penitenciário, as vidas sob custódia estatal; representam aquilo que as faculdades de Direito têm moldado em seus estudantes, técnicos, operadores que, no sentido estrito da palavra, possuem uma frieza e um rigor mecânicos para lidar com as situações que aparecem ao jurista, infelizmente, insensível.

Perseguições como as que foram feitas contra o juiz Luís Carlos Valois e à desembargadora Kenarik Boujikian fazem parte de um projeto avesso à democracia, um projeto que custa vidas e que age na frieza da lei que, como disse Fernando Sabino, “Para os pobres, é dura lex, sed lex. A lei é dura, mas é a lei. Para os ricos, é dura lex, sed latex. A lei é dura, mas estica”.

Felizmente, ainda há juízes no Brasil, como Valois e Kenarik. A esperança, que só virá com uma mudança de pensamento jurídico – sobretudo nas faculdades de Direito e nos recrutamentos feitos pelo MP e pelo Judiciário – é que a dúvida sobre a existência de juízes no Brasil morra. Até lá, seguimos buscando lótus num mar de lama, na incerteza se o nosso moinho amanhecerá de pé como o conservamos…

Gilson Santiago Macedo Júnior é Graduando em Direito pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Membro do IBDU – Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico. Integrante do NAJA – Núcleo de Assessoria Jurídica Alternativa. 

Claudio Oliveira de Carvalho  é Doutor em Desenvolvimento Regional e Urbano pela Universidade Salvador. Mestre em Direito pela Universidade Católica de Santos. Bacharel em Direito pela Universidade de Taubaté. Professor adjunto em Direito Ambiental e Urbano e Agrário da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Integrante do NAJA – Núcleo de Assessoria Jurídica Alternativa.

Terça-feira, 10 de janeiro de 2017
COMPARTILHE

Tweet
Share
Google

APOIO

Apoiadores
Seja um apoiador

ANUNCIE

Aprox. 500 mil visitas mensais. 117 mil curtidas no Facebook. Newsletter com alcance de 105 mil pessoas.

CONTATO

[email protected]
Av Paulista, 1776, 13º andar, Cerqueira César
São Paulo/SP