9 verdades e 1 mentira para Rafael Braga
Sábado, 22 de abril de 2017

9 verdades e 1 mentira para Rafael Braga

Foto: Revista Fórum

1. Rafael Braga foi preso por portar produtos de limpeza lacrados na época das manifestações de Junho de 2013;

2. Rafael Braga foi o único condenado naquelas manifestações até hoje;

3. Outras pessoas presas à época logo foram soltas para esperar julgamento e responder em liberdade. Brancas;

4. Rafael Braga foi preso novamente, enquanto cumpria regime aberto, com uso de tornozeleira eletrônica, quando ia da casa de sua mãe até a padaria. Policiais alegaram que ele portava 0,6g de maconha e 9g de cocaína. Rafael negou as acusações;

5. Os PMs, segundo Rafael Braga, o abordaram violentamente e disseram que se ele não relatasse traficantes da região iriam “jogar arma e droga na conta” do jovem. Uma testemunha relatou ter visto, de fato, a abordagem violenta. O policial que mais agredia Rafael é branco;

6. Em depoimento, os PMs que registraram a ocorrência foram contraditórios em suas versões. Tanto sobre o local em que abordaram Rafael, quanto da reação do mesmo, além de como e quando o levaram a delegacia. Mesmo com isso, Rafael Braga foi condenado a 11 anos de prisão.

7. Com exceção de ativistas e militantes de DH, bem como veículos de mídia especializados no tema de DH e segurança pública, além de artistas negros e do movimento negro, nenhuma outra voz se levantou em solidariedade a Rafael Braga em um explícito caso de desrespeito às garantias constitucionais e direitos humanos. O “estado de exceção” em ação explícita e contínua;

8. O Estado Policial e de Exceção age sobre a vida de corpos negros desde 1888 – já que a primeira Lei Criminal brasileira continha artigos que embasavam tratamento desigual, desumano e diferenciado para indivíduos negros;

9. A guerra às drogas é um subterfúgio estatal para militarizar territórios perifericos e majoritariamente negros, controlar e descartar corpos negros;

10. Vivemos em uma democracia racial, com igualdade de condições, tratamento e possibilidades. Somos todos reconhecidamente cidadãos em qualquer esfera social. Somos um povo amistoso e o racismo, no Brasil, “é cordial”.

#LibertemRafaelBraga

Juliana Borges é Feminista Negra. Pesquisadora em Antropologia na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, onde cursa Sociologia e Política. Foi Secretária Adjunta de Políticas para as Mulheres da Prefeitura de São Paulo (2013).

Sábado, 22 de abril de 2017
COMPARTILHE

Tweet
Share
Google

APOIO

Apoiadores
Seja um apoiador

ANUNCIE

Aproximadamente 1.5 milhões de visualizações mensais e mais de 145 mil curtidas no Facebook.

CONTATO

[email protected]
Av Paulista, 1776, 13º andar, Cerqueira César
São Paulo/SP